Terras Jurassicas

Terras Jurassicas
Quando Eles Mandavam

4 de outubro de 2014

Brasil: Terra de Predadores Gigantes?

Carcarodontossaurídeos em Território Brasileiro.

Interrompendo os post da séries "E Se..." (mesmo havendo alguns dinos fictícios a serem postados, uma interrupção muito devido a fraca repercussão), vou abordar um tema que há quase um ano estou com o post preparado, mas só agora tive tempo para me dedicar ao mesmo: Grandes Carnívoros no Brasil. 

Parece que, finalmente, o Brasil, além da América do Sul como um todo, foram incluídos no Mapa dos Grandes Dinossauros Assassinos.

Até uma década atrás, pouco se sabia sobre grandes predadores caminhando sobre Vales, florestas ou savanas Pre-históricas Brasileiras.

Apenas outros continentes ou países tinham seus monstros carnívoros.

Na América do Norte, tinhamos o super famoso Allosaurus, o poderoso Saurophaganax, além do Acrocanthosaurus, e um grupo em particular de dinos muito famosos, tanto pelo tamanho quanto por sua potência, os Tiranossaurídeos, como Albertosaurus,  Daspletosaurus e Tyrannosaurus, além de outros, menores. 

Na África, tinhamos o Suchomimus, o Spinosaurus e o Carcharodontosaurus, além de outros como Afrovenator e Deltadromeus, ou até mesmo o Baharijasaurus.

Na Europa, o Megalosaurus e o Baryonix. 

Na Ásia, o Yangchuanosaurus e o perigoso Tarbosaurus. 

Mas e a América do Sul? E o Brasil?

Era fato que os primeiros dinossauros (os mais antigos) eram daqui, da América do Sul, tanto o Eoraptor lunensis (Argentina) quanto o Staurikosaurus pricei (Brasil). Mas em termos de tamanho, não tinhamos nada tão impressionante, muito embora o Pyatnizkisaurus e o Abelisaurus fossem potenciais animais poderosos Sulamericanos. 

Há alguns anos descobriram o Pycnonemosaurus nevesii, mas eles não tinham o porte necessário para se comparar com os maiores predadores.

Outro, muito diferentes, como o Carnotaurus sastrei já haviam sido encontrados por aqui. 

O Carnotauro, um dos mais famosos predadores sul-americanos.
Porém, existiam dúvidas à cerca de seu tamanho. Alguns afirmam que era um carnívoro de porte médio (cerca de 7 ou 7,5 metros de comprimento), enquanto outros, que era de porte grande (11 a 12 metros de comprimento). 

Foi então que novos indícios e fósseis surgiram. 

De 1993 para cá, o achado do Giganotosaurus carolinii, na Argentina, trouxe um novo panorama e dinâmica não apenas na forma de se entender e ver o hábito destes grandes carnossauros, como colocou também a América do Sul no Mapa dos Grandes Dinos Assassinos, além de perigosos e enormes.

Enquanto isso, na África era encontrado um enorme Carcharodontosaurus saharicus, do mesmo porte do Giganotosaurus, ambos com cerca de 13 metros de comprimento.

Ambos os animais despertaram a atenção por apresentarem porte e robustez comparáveis ao cruel e enorme Tyrannosaurus, de pelo menos 13 metros e 8 toneladas. 

Outro fato importante foi a comprovação, com o achado de animais extremamente semelhantes na África e na América do Sul, de que ambos os continentes estiveram ligados por mais tempo do que antes se pensava. 

Fora o fato de que já haviam sido encontradas pegadas, vestígios e outros rastros de  animais carnívoros grandes, mas nunca encontrados fósseis completos ou registros mais precisos.

Em nosso amplo e vasto território, nos últimos anos foram encontrados animais interessantes, além de magníficos. 

Como exemplo, o Angaturama limai, um espinossaurídeo pequeno, além do Pycnonemosaurus nevesii (que mencionei acima), um carnívoro de porte médio, talvez maior do que o próprio Carnotaurus. 

Pycnonemosaurus: Predador Médio "Made in Brazil".
Entre tais animais, nenhum despertava tanta atenção no quesito tamanho ou força, já que o Angaturama mesmo pertencente a uma família de grandes animais era pequeno quando comparado aos membros maiores, como o Spinosaurus aegypticus, de pelo menos 15 metros de comprimento e 5 toneladas. 

Já o Pycnonemosaurus, apesar de provavelmente feroz, além de assustador, possuía um porte próximo ao Carnotaurus e ao Abelisaurus. 

Certo tempo depois, foi encontrado o Mapusaurus rosae e o Tyrannotitan chubutensis, ambos alardeados como monstrengos assustadores, maiores até do que o Tyrannosaurus e Giganotosaurus. 

Todos os quatro, Carcharodontosaurus, Mapusaurus, Tyrannotitan e Giganotosaurus pertencem ao grupo dos Carcarodontossaurídeos, sobretudo o Mapusaurus e o Giganotosaurus, que de tão parecidos, foram enquadrados em um grupo ainda mais específico, conhecido como Giganotosaurini. 

Tais animais possuiam corpos grandes, fortes e osso pesados, pois tinham um aspecto fisiológico e razão de crescimento mais próxima dos répteis do que das aves, enquanto que animais como o Tarbosaurus ou o Tyrannosaurus tinham fisiologia e crescimento na mesma razão das aves,  ou seja, possuíam ossos mais leves, a despeito de uma massa muscular maior e tamanho igual ou superior aos anteriores. 

Atualmente, descobriu-se que tinham um porte próximo, mas menor, principalmente o Mapusaurus, que era bem mais leve, sendo o Tyrannotitan mais pesado, mais primitivo e um pouco mais comprido que o Mapussauro. 

Mas o bestiário brasileiro apenas viria a ser expandir.

Foi então que surgiu o Oxalaia quilombensis, um Espinossaurídeo que supera não somente o Baryonix quanto o Suchomimus, mas que rivaliza em tamanho com  monstros famosos como o Tyrannosaurus, Tarbosaurus, Giganotosaurus e Carcharodontosaurus. 

Sendo tão parecido com o Spinosaurus, e pertencendo a família do mesmo, mais uma vez se comprova que os animais da África e da América do Sul, tinham muito em comum: Eram grandes carnívoros pertencentes a um dos Grupos que apenas haviam sido encontrados África adentro e somente lá, isoladamente. Mas voltando ao Oxalaia.

Tal besta incrível possuia cerca de 4 metros de altura, 5 toneladas e um comprimento de pelo menos 12 metros, podendo exceder e chegar aos 14 metros, tanto quanto um Tyrannosaurus rex ou Giganotosaurus, porém mais esguio e frágil que ambos.  

Oxalaia: Maior Dinossauro Carnívoro Brasileiro?

Porém, nos últimos tempos foram divulgadas notícias de que foram encontrados fragmentos de um
animal pertencente à família dos Carcarodontossaurídeos, porém, não se sabe, ao menos ainda, precisar qual animal seria, se um já conhecido ou algum novo.

Fato é que o animal, chamado por alguns de "Carnívoro/Monstro Caipira", com dentes de 13 cm de altura e prováveis 13 metros de comprimento, poderia ser um dos maiores predadores a caminharem pela Terra.

Imagem publicada na Folhapress, sobre a descoberta do novo gigante brasileiro.
Fragmentos da mandíbula do animal.

Comparação de outros gigantes para com o Carcarodontossauro brasileiro.
Já imaginaram o Brasil no passado sendo uma Terra de gigantes predadores? 

Os mais famosos dinossauros africanos
Enfim, se a África tinha seu Espinossauro e seus Carcarodontossauro, nós, do Brasil, não ficamos para trás defronte as novas descobertas e também temos os nossos, que, se não mais famosos e nem maiores, provavelmente tão poderosos e perigosos quanto os predadores africanos pré-históricos.  

E Se...(parte 6)

Após bastante tempo, continuando a série de dinossauros fictícios "E Se...", hoje trago a evolução dos Triceratopos, o RHYNOCERATOPS.

Nome: Rhynoceratops grandis 
Significado: Rosto com Chifre Nasal
Época: 65-55 MAA
Tipo: Ceratopssaurídeo
Tamanho: 10 m de comprimento, 4.5 metros de altura
Peso: 10 toneladas
Alimentação: herbívora.

Características e Histórico:
Este Ceratopssaurídeo possui apenas dois chifres, o mais longo
com pouco mais 1.5 m de comprimento por cerca de 80-85 cm de diâmetro. 

Um deles está sobre o focinho, e o outro, bem no meio da cabeça, e da testa, 
sendo menor.

Com o passar dos milhares de anos, os Tricerátops, mesmo sendo
poderosos e resistente, vez ou outra acabavam virando refeição dos
carnívoros grandes e temidos do final do Cretáceo.

Desta maneira evoluíram de forma que o chifre nasal acabou crescendo tanto,
ficando mais comprido, que os dois córneos na cabeça, acima dos olhos,
tornaram-se sua segunda arma, pois quando era atacado, ele poderia se defender,
ao mesmo tempo que manteria uma distância segura do predador, causando-lhe
sérios danos na região abdominal. 

Apesar de ter crescido, o Rhynoceratops, mesmo sendo mais comprido, tinha
peso parecido com o do Tricerátops, o que o deixava ainda mais rápido nas
investidas e tornava sua fuga certamente mais eficaz. Além disso tudo,
ele ainda havia ficado mais alto com a evolução do passar de milhões de anos,
o que tornaria mais difícil um predador menor saltar em suas costas, além de 
dificultar também a vida dos maiores predadores.

Porém, apesar dos chifres, quando filhotes, eles nascem com um verdadeiro "colar de
espetos", feitos de queratina (tal qual o bico de algumas aves), 
com cerca de 50 ossos pontiagudos, que serviam para proteger tal animal quando
filhote, de seus predadores naturais, como o Atroxsaurus ou os bandos
de Dragoptors. 

4 de dezembro de 2012

E Se...(Parte 5)

Continuando com os posts da série sobre dinossauros fictícios, hoje trago até vocês o
ARMODON.
Armodon: A evolução do poderoso Ankylosaurus.
Armodon Armoris

Nome: Armodon armoris
Significado: Escudo Anti-Dente (referente aos seus rivais carnívoros).
Época: 64-56 MAA
Tipo: Anquilossaurídeo
Tamanho: 12 m de comprimento, 5 m de altura
Peso: 16 toneladas
Alimentação: Herbívoro.

Características e histórico:
Descendente dos poderosos Ankylosaurus, os Armodons pouco mudaram,
com a exceção de que, agora, eles podem simplesmente esconder seus
membros e cabeça para dentro de sua carapaça, que agora é mais espessa
e bem mais alta do que em seus antecessores, tal qual as tartarugas fazem.

Também possui uma carapaça porosa e irregular, tal qual uma rocha ou pedra,
sendo sua aparência bem semelhante as mesmas. Este animal passa dias sem
beber água, pois, quando bebe, armazena mais de 80 litros em sua enorme
carapaça óssea, assim, ele vive bem, mesmo em regiões desérticas, apresentando
claros sinais de evolução e adaptação.

Além disso, ele agora pode optar por se esconder em meio as rochas,
ficando exatamente como uma, e no formato das mesmas, o que faz com que
seja imperceptível aos olhos dos maiores e mais perigosos predadores.

Sua cauda em forma de clava agora simplesmente conta com cinco ponta ósseas
e salientes, que podem destruir a carne e músculos de grandes e poderosos
carnívoros, tais como os Tiranossaurídeos ou mesmo os Alossaurídeos.

Com isso, ele dificulta qualquer grande carnívoro de predá-lo, se tornando uma
forma de vida muito vem sucedida pós-Cretáceo.

Bom, por enquanto é só. Em breve, mais postagens desta e de outras seções. Valeu.

14 de novembro de 2012

E Se...(Parte 4)

Continuando os Posts da série "E Se..."

O Atroxsaurus, uma possível evolução do Tarbosaurus.
Atroxsaurus ferox

Nome: Atroxsaurus ferox
Significado: Réptil Feroz e Atroz.
Época: 65-57 MAA
Tipo: Tiranossaurídeo
Tamanho: 14 metros de comprimento e 5 m de altura.
Peso: 4 toneladas
Alimentação: Carnívora.

Características e histórico:
Derivado do Tarbosaurus da Ásia, este animal evoluiu e,
adquiriu penas pelo corpo todo. Seus ossos se tornaram
bem leves, o que o fez se tornar mais rápido e ágil.

Seus braços ficaram menos musculosos, mas, em contrapartida
cresceram e suas duas garras, se tornaram em apenas uma única
e enorme garra, que servia para "espetar" os menores e pequenos
animais, como roedores e pequenos pássaros.

Seus dentes acabaram diminuindo um pouco, já que já não
existiam tantos animais grandes e encouraçados que precisassem
caçar, e na ponta do focinho, adquiriram um largo e espesso bico em
arco, com uma ponta extremamente reta e afiada, que servia para abrir
um enorme buraco, que destruiria suas vítimas, depois as engolia em
grandes pedaços.

Apesar de ser um pouco mais comprido que o Tarbosaurus, seu
antecessor, este animal era mais leve.

Seu nível de inteligência é bastante aguçado e avançado, considerando
seu tamanho, sendo mais avançado até do que as aves atuais como
as águias, falcões e gaviões.

Por enquanto é só...em breve volto com mais posts da série "E Se...".

Até lá!!!

1 de novembro de 2012

E Se...(Parte 3)

Continuando com a série de Posts sobre dinossauros fictícios da série "E Se...", com a terceira parte, trazendo o Dragoraptor, uma possível evolução do Velociraptor, agora mais rápidos, letais e...alados.
Vamos ao tal:

Na imagem em questão, o Dragoraptor 'pesca' um peixe com suas garras super afiadas.
Dragoraptor bravus
Nome: Dragoraptor bravus
Significado: Bravo Ladrão Alado
Época: 59-54 MAA
Tipo: Dromeossaurídeo/Ave
Tamanho: 1.7 m de comprimento, 1.2 m de altura
Peso: Ao redor de 13 kg.
Alimentação: Carnívora

Características e histórico:
Os Velociraptores, após terem adquirido penas e começado a alçar voo, podiam formar bandos e verdadeiras "artilharias aéreas", optando sempre por escolher as melhores e mais fáceis presas, sem precisarem se arriscar muito.

Além disso, agora, além de suas enormes garras circulares, eles possuem nos pés as outras garras igualmente desenvolvidas, o que auxilia muito na caça e até na pesca.

Apesar de seus corpos de menos de 15kg, eles conseguiam atingir as presas com uma velocidade ainda maior do que os seus antepassados correndo, e voavam numa investida de cerca de 120km/h, matando suas vítimas quase que instantaneamente, mesmo as maiores.  

Tornaram-se animais quase que arborícolas, onde os bandos ficam todos escondidos na copa das árvores, ou então, em picos e alto de montanhas, mas sempre em regiões perto de lagos e rios, com abundância de vida e, portanto, oferta de alimento e verdadeiros banquetes à céu aberto. 

Tais animais acabaram por extinguir os grande Pterossauros, pois roubavam-lhe  as presas, as carcaças, devoraram seus ninhos, e ainda, os atacavam durante os voos e caçadas. 

Provavelmente seriam ainda mais letais e mais perigosos do que os Velociraptores. 

Assim, encerro a terceira parte da série "E Se..." sobre Dinossauros Fictícios. 

Em breve, voltarei com a quarta e quinta partes. 

E Se...(Parte 2)

Continuando o post anterior, vamos aos dois primeiros animais FICTÍCIOS, imaginados e suas fichas.

Primeiro o Balaenossauro:

O Balaenosaurus, uma evolução dos enorme saurópodes. 
Balaenosaurus sauropodis
Nome: Balaenosaurus sauropodis
Significado: Réptil Saurópode Baleia
Época: 60-56 MAA
Tipo: Saurópode
Tamanho: 19 metros de comprimento, 8m de altura.
Peso: 12 toneladas
Alimentação: Onívora (majoritariamente herbívora, mas
também se alimentava de pequenos répteis e mamíferos).

Características e histórico:
Dinossauro "pescoçudo" com garras igual aos de uma preguiça e pescoço menos longo do que seus antepassados. Andando sobre as patas traseiras. 

Se alimentava de pequenos insetos. Com o fim das árvores mais altas, os saurópodes tiveram de passar a se alimentar de toda sorte de insetos possível. Além disso, possuía uma língua comprida e pegajosa, para grudar as presas.

Sua mandíbula continuava com os dentes quadrados e largos, prontos para poder transformar as plantas em pasta. Além disso adquiriram uma espécie de bico no lugar da boca, assim, podiam devorar os insetos e aracnídeos locais. 

Com seu pescoço, agora menor, ele poderia localizar até mesmo insetos escondidos sob rochas. 

Possuíam verdadeiras 'mãos' que fazia com que pudessem segurar, puxar e até quebrar os galhos mais grossos, arrancar arbustos e ainda capturar insetos gigantes e voadores.

Este animal seria a evolução dos grandes saurópodes, onde o tamanho superlativo, e o montante gasto em energia e tempo para se alimentar, fez com que diminuíssem de tamanho, e a oferta de alimento, já escassa, diminuísse, e assim, sua alimentação passou a ser mais variada.

Em breve, ainda hoje (ou amanhã), o próximo Dino fictício, uma evolução do Velociraptor.

Fiquem ligados, opinem, reclamem e deem sugestões. Até breve...

E Se... (Parte 1)


E SE...

Os Dinossauros tivessem sobrevivido, eles iriam continuar a evoluir. E como será que seria
a aparência dos mesmos? Suas habilidades? E peculiaridades?

Bom, imaginemos que os Dinossauros não foram extintos. Ou então, que não evoluíram para
Aves, nem para outros répteis, e, certamente não morreram, quer seja pelo superaquecimento provocado por atividades vulcânicas demasiadas ou ainda, pelo possível resfriamento do planeta e quase glaciação da época (esta última, uma das hipóteses mais aceitas e a mais sustentada atualmente, e, por atualmente, leia-se da metade dos anos 90 para cá).

Convido-os a imaginar "E se..." os dinossauros tivessem evoluído?
Considerando que jamais fósseis de tais magníficas criaturas foram encontrados de 65 milhões de anos em diante, podemos imaginar que as grandes extinções em massa sempre estiveram e, parecem ainda estar, ao que tudo indica, destinada aos grandes, aos reis e aos grandes impérios.

Antes mesmo dos dinos aparecerem e perambularem por quase 200 milhões de anos por este velho planeta azul (na época, nem tão azul ainda), houve uma extinção no Período Devoniano que dizimou nada mais, nada menos que cerca de 98% da fauna e flora à época.

Mas, avançando até 65 MAA(Milhões de Anos atrás), vamos considerar que não houve qualquer tipo de seleção natural ou extinção, e que sim, os dinossauros evoluíram e se modificaram, numa espécie de elo perdido das Aves atuais e das "Aves Gigantes" como eram conhecidas as Aves de cerca de 3 metros de altura que habitaram a Terra em período pós-dinos.

Consideremos que tais fósseis ainda não foram encontrados, mas existem.

Para poupar tal trabalho imaginativo, apesar de ser muito divertido divagar sobre o assunto, nos anos 80 e 90 houve um artista Douglas Dixon, que criou alguns dinossauros hipotéticos, que seriam verdadeiros elos perdidos entre os famosos T.rex e Troodon (para ficar nos mais óbvios) e traçou um perfil de possíveis animais que estes evoluíram para.

O Livro se chama "The New Dinosaurs: An Alternative Evolution", ou, em bom Português "Os Novos Dinossauros: Uma Evolução Alternativa", trabalho em que ele descreve e também ilustra tais criaturas fantásticas e jamais existentes.

Porém, eu tomei a liberdade, mesmo não sendo um bom desenhista, de como seriam alguns animais que pudessem ter evoluído, caso a famigerada extinção não tivesse ocorrido.

Reitero que não sou desenhista, então, a qualidade dos desenhos é pífia, mas vale a imaginação, e estes dinossauros evoluídos, MAS FICTÍCIOS.

A seguir os dois primeiros de nove dinos fictícios que tomei a liberdade de "inventar" e "imaginar", por vontade própria.

Espero que gostem!!!!